Meu Perfil
BRASIL, Sul, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Informática e Internet



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 márcio américo
 mário bortolotto
 chacal
 domingos pellegrini
 antonia pellegrino
 escritoras suicidas
 carlos muzilli
 xico sá
 Psicotramas
 ademir assunção (pinduca)
 guga
 meu antigo blog
 fernanda borges
 rubem alves
 sérgio ranalli
 marcos
 museu
 fernanda
 mara
 altair de oliveira
 leo
 marilena
 Lili
 jorge again
 daniela
 roberto
 angel cabeza
 beto lins
 ana ramiro
 rubens pillegi sá
 cláudio
 fernando stratico
 fernando blues
 márcia do valle
 Dia do Nada
 rodrigo garcia lopes
 ana peluso e mário
 Carina Paccola
 Djalma Santos
 Caixinha de Pandora
 flavio2
 gabriel
 novidadeiras
 outros poemas
 rosangela
 ana luísa
 carlos II
 rubio medina
 Oficina do pensamento
 paola
 Lívia
 Yuri
 karen
 luiz aquino
 celina
 sônia marini
 pedrita2
 maga2
 marília kubota
 moacy
 rafael2
 Tim
 fernando blues2
 Bruka Lopes
 Amar
 Kity2
 Liliana - music
 márcio pimenta2
 Miller
 Roberto Queiroz2
 Luiz Valcazaras
 Elektra
 E-Lectra Comunicação
 Roberto Queiroz (mídia)
 samantha abreu
 rubens molina
 Roberto Queiroz (literatura)
 Antonio Mariano Jr
 Ferrez
 Andrea Del Fuego
 Cássio Amaral
 Deise Maia
 Marco Jacobsen
 dungeon
 Odisséia Literária
 Ana Peluso
 Diversos Afins
 Beatriz Bajo
 Estado Anarquista
 Apocalipse Motorizado
 camila
 rodrigo souza leão
 Mulher e Futebol (marina)
 maurício arruda mendonça
 chico assis de mello
 zilma santos
 liseu de matedi
 Vila Cemitério de Automóveis
 Que goze o inconsciente
 Onde Está o Óleo
 caetano veloso
 duda bandit2
 maicknuclear
 Neuza Pinheiro
 Armadilha Poética
 O Pensador Selvagem
 Comunique-se
 Ariel Palacios
 psicorama
 Mar Arável
 Carpinejar 2
 Cínthia Verri (Matando Carpinejar)
 Mário Quintana
 Ana Peluso 2
 Miguel Sanches Neto
 Stella
 Jamille Abdallah
 Blog do Guga (my sun)
 marcele aires
 Simone Petry
 Digestivo Cultural
 Espaço Michel Foucault
 Fernanda Pompeu
 Livia2
 Pietro Nardella Dellova
 Camille Claude
 As ilusões, não as verdades
 Zé Celso Martinez Correa


 
 
sensivel desafio


 

Quase a infância
 

   
na tarde líquida
caramujos deixam viscosidade e grude
entre as árvores
cascas camuflam-se nos troncos
até que antenas marrons
despontam para lembrar
que é tenso e úmido
lamber escargots
como o primeiro beijo
 
prossigo entre as folhas
em rotas de seda
tecelã da brisa que acende
a memória de um canto breve
até a última ciranda
perdida nos galhos
trincar a fruta
entre a língua
o gozo
e o sumo



Escrito por célia musilli às 12h59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Música para sonhar...

http://www.youtube.com/watch?v=D5cLdZfx2RA

 



Escrito por célia musilli às 23h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Quase uma oração

Um dia a gente acorda e percebe que mudou, depois de levar muita porrada e ter os ossos moídos junto aos sonhos. Um dia a gente acorda e percebe que nem toda mudança precisa ser amarga, embora o que nos mova quase sempre seja a dor, esta parceira do imprevisto...

Um dia a gente acorda e descobre do lado do avesso um espaço zen, uma espécie de paz interior que nos adula e acaricia, como se a mãe voltasse a nos pegar no colo.

Neste dia, inexplicavelmente, decidimos que o melhor a fazer numa manhã é plantar um girassol só para ver, dali a um tempo, sem angústia, dilema ou rejeição, que a vida dança a dança dos dervixes...e que a nossa entrega à vida é um ritual sem hoje nem amanhã.

A felicidade pode ser o ato de movimentar -se como os girassóis, para lá e para cá, só pra ver onde começa e onde termina o dia...sem pressa. Os acontecimentos não nos pertencem. 



Escrito por célia musilli às 10h19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 

Fragmento

 

 

Às vezes fico pensando o que os "outros" fazem com os instantes vividos. Falo daqueles especiais, quando o tempo pára e a vida suspensa parece um céu estrelado, como a paz de um longo beijo.  

 

Às vezes fico pensando o que os “outros” fazem com as palavras doces, as frases de entrega, a felicidade espontânea, o afeto que ilumina. Eu geralmente os guardo como um tesouro, por tempo indeterminado. Sou meticulosa como quem coleciona borboletas. Então, alguns instantes duram como a eternidade, até o dia em que, inexplicavelmente, viram bolhas de sabão, translúcidas,  frágeis, que desaparecem no ar por encanto ou obra de um deus que passa e as leva para um reino invisível. 
 
A vida é misteriosa, como todas as suas alegrias e tristezas. Dizem que para deixar um grande amor, só mesmo uma nova história de amor. Para esquecer alguém que morre, só mesmo quando nasce uma nova pessoa que faça ...sentido. Fico pensando se isso é um remédio? Um bálsamo? Uma panacéia afetiva que tem o efeito de um chá, quando a gente volta de uma viagem e nem quer mais pegar a estrada. 

 

Tudo o que se sabe é que o amor é um pássaro sem pouso que inspira poemas rebeldes, delicados, apaixonados, “putos da vida”, doídos feito as feridas abertas por sabres do diabo e sopradas por querubins.

 

O amor, meu querido, sempre vem e passa para nos deixar uma boa dose de perplexidade, de transmutação, de encantamento...Por isto, ninguém sai igual de uma história de amor. Seja o amor fraterno, censurado, quase eterno ou abandonado. São tantas as suas faces espelhadas, estilhaçando nossos pontos de vista. 
 
Por estes dias, perdi uma pessoa importante para mim, outra vez. Tento não doer tanto. Lembro que alguém me disse um dia que “quanto mais envelhecemos, mais vemos a morte de perto.” Eu sei que é factual, mas é a pura verdade.

 

Mas pergunto: para onde vão os “instantes”? São misteriosos como os guarda-chuvas que se perdem? Os brinquedos que desaparecem? As chaves que nunca mais se vê, deixando nossos armários fechados, sufocando as lembranças quase vivas?

 

Tentar segurar o amor, meu querido, é como segurar a vida. Areia que escapa entre os dedos. Castelos lambidos pelas marés. O que fica são memórias indizíveis. Os instantes passam e, quase sempre, valem pela beleza ou a crueldade de estar vivo. Outro dia perguntei ao último filósofo que conheço: "Afinal, qual é o sentido de tudo?" Ele me respondeu: " As marcas que a gente deixa, Célia. Por isso, eu deixo o melhor de mim." Então pensei nos poemas de amor e nos meus hieróglifos. 



Escrito por célia musilli às 17h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



O amor em outra dimensão

Nos últimos dias entrei em contato com a poesia dos sufistas com mais intensidade. O sufismo é a corrente contemplativa do Islamismo,  trata das coisas do céu e da terra de maneira muito original: através do canto, da dança e da poesia. Já ouviram falar na dança dos dervixes? Uma espécie de transe que propicia o contato com a divindade através de movimentos rotatórios como os planetas em torno do Sol? Esta é uma compreensão da transcendência que me toca. Mais do que os cultos sisudos, as pesadas noções de pecado. Se Deus existe, deve ser a leveza, se Deus existe deve ser a beleza  e a arte é sempre um modo de transcender, colocando nossa fração divina em contato com a grande luz.

 

Rumi foi sufi e poeta. No seu tempo, o amor devotado a Deus era embalado em versos que pareciam dedicados aos amantes ou aos enamorados. Mas eram poemas feitos para o sagrado, que se apresentavam em linguagem cifrada num período obscuro. Porque o fanatismo exigia, e ainda exige, severidade para tratar das coisas de Deus. Mas alguns devotos acreditavam num Deus amoroso, não punitivo, e expressavam seu amor sem as amarras da censura e escreviam como se tratassem das coisas da Terra quando, na verdade, a elevação permeava suas palavras. Seus versos eram como uma fonte oculta na floresta.

 

Os poemas de Rumi são fragmentos místicos que se encaixam formando uma grande obra. Ao mesmo tempo em que têm uma interdependência, possuem uma liberdade de sentido que se mantém mesmo quando os lemos separadamente. Esta articulação me impressiona e encanta. Deixo aqui alguns versos de Rumi e a sabedoria que está nas suas linhas e entrelinhas.    

 

 

 

 

“Vem, te direi em segredo

aonde leva esta dança.

 

Vê como as partículas do ar

E os grãos da areia do deserto

Giram desnorteados.

 

Cada átomo

Feliz ou miserável

Gira apaixonado

Em torno do Sol

 

Ninguém fala para si mesmo em voz alta

Já que todos somos um

Falemos de outro modo

 

Os pés e as mãos conhecem o desejo da alma

Fechemos pois a boca e conversemos através da alma

Só a alma conhece o destino de tudo passo a passo

Vem, se te interessas, posso mostrar-te

 

Na verdade, somos uma só alma, tu e eu,

Nos mostramos e nos escondemos tu em mim, eu em ti,

Eis aqui o sentido profundo da minha relação contigo

Porque não existe, entre tu e eu, nem eu, nem tu...”

 

 

(Rumi, escrito entre 1552 e 1554)   



Escrito por célia musilli às 19h21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



A artista plástica mineira Kity Amaral se juntou comigo para fazermos uma composição de pintura e poesia. O trabalho dela, colorido e vibrante, pode ser conferido no site www.kityamaral.com.br

Aqui deixo  uma de nossas experiências.

 

 

Cerrado em pássaros e fogo , de Kity Amaral

 

 

 

SUÍTE

 

 

havia o desenho dos corpos e o desenho das pontes

um sobre o outro

silhuetas queimando na tarde incipiente

estivemos lá

num quarto abafado

sob um céu comovente

na hora em que os anjos

realizam o milagre da carne, sem pecado 

 

minha boca movia-se num beijo

deixava-me ficar assim

com a língua em ondulações de serpente

carícias sobre a nudez

reentrâncias delicadas

a flor da minha pele no Saara

o calor da vida era quase insuportável

 

 

à memória desta cena

acendo candelabros de lembrança luminosa

nada escapa aos meus sentidos

muito tempo depois

quando o amor é vago

um quasar distante

você ainda me visita

com a natureza das chamas

 

elas fingem que se apagam

e propagam faíscas

começando outra vez o crepitar do fogo

corpo sob o corpo

miragem com que me iludo no sótão

procurando fósforos

a cada dia que nasce

nas paisagens nômades

 

 



Escrito por célia musilli às 10h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]